Notícias
História
Galeria
Locais de interesse
Informações
Localização
Livro de visitas
 
 
Orgãos autárquicos
Obras
Informação autárquica
Heraldica
Contactos
 
 
 
Energica
História
Situada na parte ocidental do concelho, a cerca de sele quilómetros de Boticas, Bobadela, diz a lenda, deve o seu nome ao facto de em tempos recuados ter existido aqui uma confraria com casas abobadadas.

O seu povoamento remonta, como em todo este concelho, a épocas pré-históricas. Ao poente da sede da povoação, num pequeno outeiro, surgiram alguns vestígios de um antigo reduto castrejo, o castro de Cidadonha. Conhecido também como castro do Bobadela ou do Brejo, é um daqueles que foi estudado a partir de 1983. Encontra-se na parte ocidental da freguesia. Ali foram encontrados dois machados, um de pedra polida e outro de bronze e outros objectos de metal, estes descobertos na primeira metade do século.

Um outro, o de Nogueira, foi descoberto na aldeia do mesmo nome, no alto de um cabeço cónico. Este castro terá sido romanizado, a julgar pelo marco miliário descoberto em redor e pela calçada da mesma época. Um caminho difícil conduz ao local, marcado por uma vegetação espessa. Daquilo que provavelmente foi um povoado lusitano, restam hoje algumas ruínas de muralhas, mas nenhum dos seus paramentos é actualmente visível. Algumas covas pouco fundas no seu interior parecem indiciar que ali terá existido exploração, ou pelo menos pesquisa, de materiais preciosos. Nogueira fica no cume da serra, perto do ribeiro das Lameiras.

A instituição paroquial desta freguesia ocorreu ainda no século XIII. Pertencia à Sé de Braga e foi mais tarde uma comenda da Ordem de Cristo. O reitor ele Bobadela era apresentado pela mitra e tinha de rendimento anual 150 mil réis. A igreja paroquial de Bobadela, totalmente restaurada nos inícios do século XVIll, é de uma só nave. A capela de S. Lourenço. erigida em 1742, encontra-se na parte mais alta da povoação. Conserva no seu interior uma ara muito antiga e em mau estado de conservação.

O Poço das Freitas, datado não se sabe bem de quando, é um local de interesse turístico nesta freguesia pela sua peculiaridade e raridade. É a maior obra construída pelo homem em todo o concelho, destinada que era à exploração de ouro nas minas e no aluvião. As areias dali saídas seriam posteriormente lavadas com água de uma barragem. Esta, da qual hoje não resta qualquer vestígio, era alimentada por um pequeno regato nascido na serra da Cortiça, o Ganidoiro.

Certas tradições mantêm-se ainda hoje desde tempos longínquos. Na Páscoa, por exemplo, todos os vizinhos têm que levar o folar caseiro para a festa. Quando algum habitante mais pobre não tiver essa possibilidade, todos os outros se juntam e contribuem da forma que podem. Foi sempre assim, mas nota-se que de quando em vez a tradição se vai perdendo.